Verdades em versos
refreshfaq+askrabiscos ftphoto
Sou o tipo de pessoa que tenta achar amor em tudo, em tudo mesmo, até em um simples sorriso. Visitas: Instagram

Não nasci para ser adequada, coerente, adorável. Nasci para ser gente. Para sentir de verdade. Tenho vocação para transparências e não preciso ser interessante o tempo todo. Por isso, não espere que eu supere as suas expectativas: às vezes, nem eu supero as minhas.

Marla de Queiroz.    

Alguns olhares valem mais do que quinhentas declarações de amor.

Para Todos os Amores Errados.  

Eu sou a pessoa mais complicada que apareceu na sua vida. E por causa disso, você é a única pessoa que consegue me descomplicar. E no meio dessa confusão toda que é as nossas vidas, eu tive que te perder para poder perceber que você era aquilo que me faltava.

Restos de um naufrágio. 

Eu admito que, depois de te conhecer passei a admirar o céu estrelado. Nos piores dos casos, eu passei a acreditar que o nosso infinito vem de lá.

Missivas para V.

Se preciso for, eu faço o que for preciso para você não precisar ir.

Eu me chamo Antônio. 

No fundo eu sei que sou complicada demais pra conseguir me relacionar. Tem dias que nem eu mesmo me quero.

Tati Bernardi   

Deitei na cama e lamentei. Lamentei pelos dias, semanas, meses, anos, que passam, e a gente nem vê, e, quando vê, já é tarde demais. Já não são as mesmas pessoas, os mesmos sentimentos, os mesmos sabores. Quando se vê, está tudo acabado. Lamentei por tudo que acabou, mas não deveria ter tido um fim; por tudo que morreu lá fora, mas continua vivo dentro de mim. Lamentei pelos poemas que escrevi e não fui capaz de deixá-los penetrar outros corações que, talvez, guardassem uma dor tão grande quanto a minha. Lamentei por lamentar tanto; lamentar tudo. Toda essa lamentação tem me feito mal. Tudo, ultimamente, tem sido um motivo para me deixar em prantos, me fazer chorar, deplorar, lastimar. Não sei se estou mais vulnerável, ou o mundo está mais agressivo. Se perdi a armadura, ou o mundo fortaleceu suas armas. Se o escudo que estava à minha volta se desfez, ou o mundo aprendeu a atravessá-lo. Para falar a verdade, acho que o mundo, enfim, percebeu que, por trás de uma falsa proteção, há uma pessoa que lamenta a própria existência.

Pedro Peixoto. 

Sou forte. Meio doce e meio ácida. Em alguns dias acho que sou fraca. E boba. Preciso de um lugar onde enfiar a cara pra esconder as lágrimas. Aí penso que não sou tão forte assim e começo a olhar pra mim. Sou forte sim, mas também choro. Sou gente. Sou humana. Sou manhosa. Sou assim. Quero que as coisas aconteçam já, logo, de uma vez. Quero que meus erros não me impeçam de continuar olhando para a frente. E quero continuar errando, pois jamais serei perfeita (ainda bem!). Tampouco quero ser comum e normal. Quero ser simplesmente eu. Quero rir, sorrir e chorar. Sentir friozinho na barriga, nó no peito, tremedeira nas pernas. Sentir que as coisas funcionam e que tenho que trocar de jeito quando insisto em algo que não dá resultado. Quero aprender e, ainda assim, continuar criança. Ficar no sol e sentir o vento gelado no nariz. Quero sentir cheiro de grama cortada e café passado. Cheiro de chuva, de flor, cheiro de vida. Aprecio as coisas simples e quero continuar descomplicando o que parece complicado. Se der pra resolver, vamos lá! Se não dá, deixa pra lá. A vida não é complicada e nem difícil, tudo depende de como a gente encara e se impõe. Quero ser eu, com minha cara azeda e absurdamente açucarada. Não quero saber tudo e nem ser racional. Quero continuar mantendo o meu cérebro no lugar onde ele se encontra: meu coração. E essa é a melhor parte de mim.

Clarissa Corrêa.